GP do Brasil 2013

Acho que esta corrida apresenta um desafio sui generis para o telespectador brasileiro este ano: o que encontrar de excitante em uma corrida que teve o campeonato já decidido de forma tão esmagadora por Red Bull e Vettel?

Será que chove? Pra quem curte, abaixo os meteográficos para os próximos dias:

meteografia gp do brasil

HORÁRIOS:
Treino Livre 1………..Sex 10:00
Treino Livre 2………..Sex 14:00
Treino Livre 3………..Sab 11:00
Classificação…………Sab 14:00
Corrida………………Dom 14:00

43 Comments

  1. Caraca Becken!!!!!!!!!!!!! Eu já passo o dia com esses gráficos na mesa e venho aqui no Papaya e…surpresa!

    Morrendo de sorrir aqui!

    Vai chover e a aderência mecânica vai mandar. Lewis na cabeça.

    Meu pódio: Lewis, Rosberg, Button.

  2. Perez – projeto de lixo!

    Button – lixo com mestrado e doutorado!

    • De fato o Checo abusou! A chuva apertou no final do Q2 e ele queria baixar o tempo a todo custo… Não tinha como dar certo! Ainda mais “pisando” na zebra molhada da descida do lago. Era certeza de muro!

  3. Foi muito estranho ver o GP do Brasil pela televisão, após 3 anos seguidos indo ao autódromo.

    Eu estou acostumada a passar perrengue no setor G, mas ver a precariedade das instalações dos boxes e da condição da pista durante a chuva dessa classificação foi vergonhoso.

    Brasil do meu coração, essa reforma em Interlagos já devia ter sido feita há anos!!!

    De resto, ainda bem que eu fiquei no sofá de casa. Porque depois de esperar meia hora pra ver um Q3 sem nenhuma McLaren, ainda tive que engolir mais uma pole do Vettel.

    Só espero que tenha sobrado um pouco de chuva pra amanhã, hehehe.

  4. A temporada acabou com uma super corrida, hein! 😀

    McLaren ‏@McLarenF1 1h
    Jenson crosses the line P4 and Checo P6. Brilliant performance from the boys to end a difficult season. #BelieveInMcLaren #F1 #BrazilianGP

    Curti muito desde a largada. Mas sofri com a perda de performance das Mercedes… e depois com a punição absurda pro Lewis, que manteve o espaço de um carro pro Bottas, mas mesmo assim tomou DT!

    Bem que eu desconfiei que transferiram o vudu da reta oposta e pro S, viu…

    Também tive um mini enfarto quando o Jenson quase “tomou uma maldonada”.

    E como a McLaren tava bem, minha gente! Ou foram os outros que tavam ruins demais, com acerto de chuva em pista seca, hein? Só sei que o Jenson correu que nem macho: ele devia tentar fazer isso sempre! Hehehe. E o Checo fez uma bela despedida…

    Por falar em despedida, Webber de cara pro vento e com olhos lacrimejantes… que cena linda! <3

    Amo a F1 quando ela está recheada de emoção, como hoje! Essa corrida foi ótima para renovar as minhas esperanças nesse esporte… e enfrentar essa pós e pré-temporada com mais positividade.

    Que venha 2015!!! Mas antes 2014, fazer o que? 😉

  5. Mais nenhuma especulaçao do patrocinador master?
    E as cores?

  6. Qual o calendário da pré-temporada?

    É verdade que a McLaren lançará o novo carro ainda este ano?

    Quando começam os testes?

  7. 2 de Dezembro não seria o anuncio do patrocinador, o qual foi adiado e será junto ao lançamento do carro?

  8. Fantástico, Mari! Depois que me tornei sócio, sonho todos os dias em estar aí.

  9. “Projetistas da Ferrari são, agora, os que Alonso sempre desejou
    27/11/13
    São Paulo
    Amigos, o texto a seguir e outros de F-1 produzidos pela Agência Estado estão disponíveis também na seção Esporte-Velocidade do portal http://www.estadao.com.br
    Alonso queria James Allison e Dirk de Beer, da Lotus. E foi atendido por Domenicali
    Com o fim do campeonato, a hora é de começar a abordar com maior frequência, e profundidade, a temporada de 2014. Ao menos até nós, profissionais da imprensa, também entrarmos de férias no período de recesso da Fórmula 1. O tema hoje é a Ferrari.
    Nos dias do GP da Hungria, entre 26 e 28 de julho, Fernando Alonso criticou a área de projeto da equipe, coordenada pelo grego Nikolas Tombazis e o italiano Simone Resta, sob a supervisão do diretor técnico Pat Fry, inglês. O espanhol chegou a afirmar que ele, Felipe Massa, o pessoal do grupo que vai às corridas, engenheiros, mecânicos, fazem um “trabalho razoável, aceitável”. E completou: “Já os responsáveis pelo desenvolvimento do carro, não. Quando avançamos com as novas peças é para ser um, dois décimos mais rápidos, o que é muito pouco. Nossos adversários estão crescendo mais”.
    Apesar de Luca di Montezemolo, presidente da Ferrari, ter tido literalmente uma “briga” com Alonso, pelas duras palavras a um setor do time que, de fato, não funcionou este ano, a análise da estrutura técnica da Ferrari construída principalmente depois das críticas do piloto denota que ele foi muito ouvido. Stefano Domenicali, diretor da equipe, já havia compreendido a necessidade de contratar novos profissionais para projetar e desenvolver os carros.
    Pagou a multa
    A posição clara e pública de Alonso somada à impressionante maneira como o modelo F138 italiano ficou para trás em relação ao RB9-Renault, da Red Bull, o E21-Renault, Lotus, e o W04, Mercedes, apressou o processo de reestruturação técnica da Ferrari. Montezemolo concordou em pagar uma espécie de liberação para a Lotus para que seu diretor técnico, James Allison, pudesse assumir logo sua função na Ferrari. Deixou a Lotus dia 8 de maio, mas poderia iniciar sua segunda trajetória na Ferrari somente na próxima temporada.
    Hoje, quem pensa o carro de 2014 é Allison e o especialista em aerodinâmica da Lotus , Dirk de Beer, da mesma forma contratado por Domenicali. Tombazis e Resta ainda trabalham no projeto, mas as diretrizes, quem de fato concebe o modelo do ano que vem é a dupla Allison-Beer. Pat Fry foi uma grande decepção. Na McLaren, quando viram que na área de projeto não correspondia, passou a ser o estrategista da organização. Na Ferrari, chegou como diretor técnico e hoje tem o título “prestigiado” de diretor de engenharia. Não deve ter vida longa entre os italianos.
    Em outras palavras, Alonso conseguiu o que tanto queria, que a Ferrari mudasse os homens que assinam o projeto. Alonso foi um dos que defendeu tenazmente a chegada de Allison, pois foi bicampeão do mundo quando o engenheiro aeronáutico inglês era o diretor técnico da Renault, em 2005 e 2006.
    A nova filosofia construtiva já pôde ser compreendida por todos na Ferrari. Segundo a revista semanal italiana Autosprint, o carro do ano que vem não terá mais a suspensão dianteira do tipo pull rod, tão desejada desde o ano passado por Tombazis. Nesse tipo de suspensão o conjunto amortecedor/barra de torção é instalado na parte inferior da frente do monocoque e não na superior. Monocoque é a estrutura central de um monoposto de Fórmula 1, onde na frente são instaladas as suspensões dianteiras, no meio o cockpit para abrigar o piloto e atrás o tanque de combustível.
    Apenas a McLaren adotou a mesma solução, este ano. Por sua complexidade, apesar de na teoria poder representar uma vantagem aerodinâmica e reduzir o centro de gravidade, o grupo da McLaren coordenado por Tim Goss se perdeu. O time inglês disputou um dos piores campeonatos de sua história. Terminou o Mundial de Construtores em quinto, com 122 pontos, diante de 596 da Red Bull, tetracampeã. A Ferrari foi a terceira, com 354 pontos.
    Nova filosofia
    Allison já definiu que o conjunto amortecedor/barra de torção da suspensão dianteira volta para a parte superior do monocoque. Ele é chamado push rod em vez de pull rod. Trata-se de uma mudança conceitual, como várias que Allison deverá já estar adotando e que ficarão evidentes quanto a Ferrari apresentar seu modelo de 2014, pouco antes dos testes de inverno começarem, dia 28 de janeiro em Jerez de la Frontera, na Espanha.
    É importante destacar que os projetos de 2014 pouco têm a ver com os que terminaram o campeonato domingo, em Interlagos. O regulamento é muito distinto, os desafios de engenharia são outros. Para Alonso, o que muda substancialmente sua perspectiva é que outros técnicos, de passado de sucesso na Fórmula 1, com ele próprio, estão pensando o carro da Ferrari do ano que vem. Alonso perdeu a confiança na dupla Tombazis-Resta, com boas razões para isso.” by livio orichio. Prestem atenção quando ele fala em suspensão. Espero que a mudem a nossa também…

  10. No link a seguir diz que a Sony será a patrocinadora da McLaren ano que vem.

    http://www.diariomotorsport.com.br/2013/11/exclusivo-sony-substituira-vodafone-na-mclaren/

    Empresa japonesa e 2015 motor também japonês… até que faz sentido.

  11. E a Ferrari sai na frente testando seu motor de 2014, em seu carro de rua LaFerrari no seu circuito particular de Fiorano:

    http://www.youtube.com/watch?v=zdXM_Nva1Jg#t=72

    • Putz…ele exagera mesmo:

      “Eu não acho que será mais emocionante de pilotar. Vamos lutar pela aderência o tempo todo, então não acho que vai se tornar mais emocionante”, explicou.

      “Acho que os carros estarão mais próximos e não haverá mais disputa, mas com a forma como os carros serão, com menos pressão aerodinâmica, pneus mais duros e mais torque, você verá um fim de semana um pouco como o da GP2, porque será muito mais fácil cometer um erro”, completou.

    • Nunca tinha lido nada de F1 desse site, Esporte Interativo, portanto não acredito que Ross vá para Williams principalmente por isso: “Especialistas especulam que a aquisição de Brawn pode ter influenciado na saída de Pujolar”.

      Pujolar era engenheiro de Pastor Maldonado. Brawn quer ser chefe de equipe. Qual é o problema?

      Andrew Benson e James Allen, disseram em suas colunas, que o mais provável destino de Brawn é a Honda, e 2ª opção na Ferrari. Brawn é engenheiro mecânico, no entanto não quer trabalhar com o seu forte, que é a parte de organização e estratégia. Ele quer ser chefe de equipe, e que todas as ordens saiam dele. Por esse motivo, saiu da Mercedes.

      Na Honda Mclaren, ele só quer ir se for no posto de Martin Whitimarsh, fato que não foi bem aceito pelos sócios de Woking. E o mesmo motivo na Ferrari. Queria o posto de Jean Todt. e Montezemolo não aceitou, e ele decidiu sair.

      Ele poderia ter esse posto na Williams, mas Tio Frank Williams é mão de vaca. Baixos salários, equipe sem orçamento que Ross tanto ama, sem apoio de montadoras, sem muitos patrocínios…e o pior, contrato de 4 anos! Que TOP aceita?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *