F1 Técnica: Asa dianteira do MP4-29

Há algum tempo que venho namorando essa ideia. Acredito que nós amamos esse esporte por vários motivos, os mais diferentes possíveis: pilotos que vimos correr, carros que achamos incríveis pelo design ou pela pintura, por causa do nacionalismo e etc.

Mas o Motorsport tem uma dimensão que abraça muita coisa, uma dimensão que abordamos pouco aqui no Papaya (por várias limitações que temos), a dimensão técnica da Fórmula 1.

Essa categoria – que amamos (?) – garantiu o destaque que possui hoje por ter sido aclamada durante toda a sua existência como sendo o pináculo (quaisquer dúvidas sobre o termo, podem falar com a arquiteta Mari Espada – consultoria cara, mas bem humorada) do esporte a motor.

Acho que temos aqui uma responsabilidade negligenciada, discorrer sobre a parte técnica desse esporte.

Aqui vai a minha sugestão: abordar as atualizações de cada modelo, a cada prova – seguindo as postagens do Fia/Technical. Obviamente, não teremos condições de fazer aqui um SpyF1Insider, mas a intenção aqui é abordar e tentar discutir com a necessária ajuda de vocês comentaristas do Papaya.

Aqui vai a primeira ‘bomba’!

A evolução da asa dianteira do MP4-29 (elementos da asa, nariz etc): a atualização de ‘meio segundo’ – isso não é uma provocação!

ta_article_1168

 

Para Melbourne , a McLaren introduziu um novo plano principal para sua asa dianteira onde a principal área de desenvolvimento foi a extremidade externa da asa (1). Este trecho da asa ficou com um túnel externo menos agressivo e um espaço extra na segunda parte do plano principal. Essas mudanças devem ajudar com a consistência do downforce quando vários graus esterçamento são aplicados. A aleta superior frontal (2) também foi alterada para uma versão simplificada, com um componente fazendo a maior parte do trabalho em produzir downforce frontal sem perturbar o fluxo de ar para o assoalho. Novamente, isso é para uma melhor consistência das forças aerodinâmicas . A porção exterior das abas laterais também foi alterada , com uma pequena ‘ rampa de esqui ‘ sendo adicionada no interior das endplates ( 3 ). Essa atualização vai de mãos dadas com a evolução futura da peça e ajudará a otimizar o fluxo de ar nesta área. Sob o nariz ( 4 ) as barbatanas verticais foram removidas e outras menores montadas na junção nariz-chassis . Abrindo mais espaço nessa área e alterando o fluxo de ar para melhorar o desempenho do assoalho.

 

2kr5Mit

Para Sepang, um novo nariz foi adicionada a este desenvolvimento da asa dianteira . A borda dianteira ( 5 ) do seu corpo principal foi levantada e é mais curta , o que significa que a ponta do nariz ( 7 ) já não é apenas mais longa, mas teve também seu um perfil um pouco alterado. O canto externo da superfície superior (7) é mais mesclado e faz referência à seção quadrada onde se junta ao chassis, enquanto o pilar de montagem da asa dianteira (8) é mais agressivo e vai direcionar o fluxo de ar muito abruptamente. Todas essas mudanças foram projetadas para obter mais fluxo de ar sob o chassi, que se obtido, irá criar mais downforce.

urKKJKV

texto de referência livremente traduzido com a ajuda do Google a partir de www.formula1.com/news/technical/2014/915/1168.html

About Will Mesquita

José Wilson de nascença e Will de espírito. Trabalho pela minha vida, então não dispenso uma boa leitura, uma boa corrida, um bom futebol, uma boa comida e uma boa praia. Imagino que seja um bom amigo, um bom goleiro e um bom filho. Um cara legal, mas não bobalhão.

11 Comments

  1. Que Prodomou que nada, na Mc esta faltando é o Will!!!
    Hehehe
    Agora serio, primeiro acho que a intençao deste novo bico é aumentar a quantidade de ar que chega atraves das laterais baixas na suspençao traseira. Acredito que ainda nao usamos com eficiencia essa peça.
    Segundo, se nosso carro nao se adapta bem a altas temperaturas como o Button diz, esperar o que na corrida no deserto?

    • Hahahaha, só sou bom pra desenhar em papel de pão Daniel! A arquiteta da casa laranja é a Mari.

      Mas o lance do novo bico me deixou bolado. Li no F1 Technical que para o Bahrein é esperado o complemento do pacote, de qualquer forma parece que o carro melhorou mas infelizmente não se adaptou aos pneus mais duros escolhidos para Sepang.

      É complicado analisar a filosofia por detrás do MP4-29, lembra que lá atrás no lançamento eu disse que achei ele meio ‘gordinho’ na parte traseira? Continuo achando que a nossa ‘cokebottle’ reduz a eficiência do carro, mas é o pacote…fazer o que.

  2. Por mais que eu tente ser otimista, acho que esse ano já está perdido. Existem algumas questões que me forçam a pensar:

    1º – A Mclaren já pode estar perdida no desenvolvimento do carro, pois, mesmo estando já na segunda corrida do calendário, nenhuma outra equipe tentou copiar a suposta suspensão “revolucionária” do MP4/29. Então, fica a pergunta: Será que essa suspensão funciona mesmo?
    Todo mundo está errado e a Mclaren certa?

    Além disso, uma outra situação que me chama a atenção, e pode ser indicativo de que a equipe pode estar meio perdida no desenvolvimento do carro, são as mudanças de filosofia do MP4/29. Primeiro a equipe rebaixa o bico do MP4/29 quando do seu lançamento e testes iniciais, para, logo em seguida, levantar o mesmo bico. Fico com a sensação que os engenheiros da equipe não possuem entendimento do que estão fazendo. Será que no túnel de vento eles não podiam saber qual seria a melhor solução?

    2º – Agora, acreditando que a equipe não esteja perdida no desenvolvimento do carro, mas sabendo que a Honda, em tese, segundo a mídia, já estaria injetando dinheiro na equipe, não estaria a Mclaren utilizando o MP4/29 somente como laboratório de testes, sem pretensões esse ano, tudo para que, em 2015, tenha um carro de ponta?

    Tomara mesmo que todas essas questões sejam coisas da minha cabeça e eu esteja completamente errado.

    • Cara.
      Essa suspensão simula a “Beam Wing”, que era permitida ano passado.
      OK. Gera uma razoável quantidade adicional de downforce, porém gera mais arrasto, o que nenhuma equipe hoje quer. O motor é mais pesado do que no ano passado, os carros são mais lentos, gerar mais arrasto, todos querem fugir disso. Talvez seja útil em Mônaco ou Cingapura, mas imagina isso em Spa ou em Monza, é suicídio.

      • A McLarem e a Willians sao as equipes que mais figuram no top 5 de maior velocidade.
        Os carros este ano sao cerca de 25km/h mais velozes que no ano passado.

    • Vamos fazer igual ao Jack ‘The Ripper’, vamos por partes:

      “Primeiro a equipe rebaixa o bico do MP4/29 quando do seu lançamento e testes iniciais, para, logo em seguida, levantar o mesmo bico.”

      A McLaren rebaixou o bico do 29 até o limite do regulamento, como todas as outras equipes. Se não houvesse essa exigência, os bicos estariam lá em cima como no ano anterior. A atualização do bico está explicada no post, tem objetivos específicos: intensificar o fluxo de ar e gerar mais downforce.

      “não estaria a Mclaren utilizando o MP4/29 somente como laboratório de testes, sem pretensões esse ano, tudo para que, em 2015, tenha um carro de ponta?”

      Bingo!

      Dê uma olhada aqui: http://papayaorange.com.br/2014/03/o-super-sincero/

  3. Ops, McLAREN!
    Desculpe pela falha Bruce

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *