O que é o que é? Exercício anual de adivinhação

São Luís, 25 de Fevereiro (vamos brincar de adivinhação?)

Falta pouco pessoal, falta bem pouco. Estamos basicamente com apenas 3 semanas nos separando da primeira jornada pelo mundo maravilhoso da velocidade.

Em uma semana que serviu para aguçar nossos sentidos, estamos mais uma vez na metade dos testes de pré-temporada e todos se perguntam:

Quem está na frente?

Um bom indicador para responder essa pergunta está no que a ótima Julianne Cerasoli listou em primeiro lugar em “Como acompanhar um teste de pré-temporada”, a confiabilidade. Parâmetro que se reflete na quilometragem percorrida nestes 4 dias.

Km semana 1

Sim, a Mercedes está humilhando. O que tem sido recorrente desde o início do regulamento 1.6T, em 2014. Os alemães são praticamente imparáveis. Mas chama a atenção a boa performance da Toro Rosso, que não à toa está com os motores Ferrari e não Renault, das 4 equipes com maior quilometragem: 2 com PU Mercedes e 2 com PU Ferrari. E aí, listo uma anomalia, a Ferrari não está entre essas 4, apesar de ser a ‘titular’ do motor italiano. Uma explicação, o design agressivo do SF-16H, feito para desafiar o Mercedes W07, que está desafiando a ótima confiabilidade da sua PU. Um desafio necessário em busca de uma vitória que não vem a algum tempo (alô 2007!).

Mas nem só de quilômetros percorridos é feito um F1 vitorioso. E a velocidade? Quem dominou o quadro de tempos? Resposta rápida e que vem fácil. Vettel. Com um tempo de 1min22,8s e pneus ultramacios, o alemão foi muito veloz. Mas a volta que mais impressionou foi uma que Rosberg deu com pneus médios e com combustível para um stint médio, 1min24,867s com um pneu que é seguramente mais de 2 segundos mais lento que o pneu roxo

No final das contas, podemos dizer que aparentemente, a Ferrari está mais próxima do que nunca nessa briga.

performances

Mas nessa jogo de adivinhação, parece que a Mercedes tem feito um pouco de poker face, testando novas peças e abusando da tranquilidade, elas colocam uma pulga atrás da orelha da concorrência.

Uma discussão interessante é sobre o famoso sandbagging. Quem estaria mais carregado de combustível? Vettel deu uma declaração interessante esta semana, falando que em função do escasso tempo para testar (8 dias, contra os 12 dias em outras temporadas) ninguém poderia se dar ao luxo de esconder o jogo. Será?

Fizemos uma comparação das melhores voltas (corrigidas pelo tipo de pneu e pelo tamanho dos stints) para os testes de 2016 x 2015 (mesma pista e temperatura parecida) e encontramos o seguinte quadro.

diff 15 16

Em resumo, quanto mais próxima do eixo das abscissas (eu sei que você não vai precisar daquele link), mais próxima a equipe estaria da sua performance potencial.

As equipes com valores acima de +0,5 estariam escondendo o jogo (Mercedes e Williams) ou não tiveram oportunidade de dar voltas rápidas por atrasos nos programas (McLaren).

As equipes no intervalo de +0,5 a -0,5 estariam dentro de uma performance potencial em relação aos testes do ano passado (mesma pista e temperatura parecida).

As equipes com valores abaixo de -0,5, estariam andando mais leves que o normal (Force India) ou então apresentaram evolução de seus carros (Toro Rosso que agora está com motor Ferrari).

Notem que Haas e Manor não tem valores, is to por que a Haas é estreante e a Manor não testou em Barcelona em 2015.

Obviamente, como diz o título, isso aqui é puro exercício de adivinhação. Quais seus pitacos?

About Will Mesquita

José Wilson de nascença e Will de espírito. Trabalho pela minha vida, então não dispenso uma boa leitura, uma boa corrida, um bom futebol, uma boa comida e uma boa praia. Imagino que seja um bom amigo, um bom goleiro e um bom filho. Um cara legal, mas não bobalhão.

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *